sexta-feira, 16 de março de 2007

Gênios do Jazz no cinema

Retirado do site Folha Ilustrada

Miles Davis e Dave Brubeck são nomes que hoje aparecem em todas as listas de maiores da história do jazz. Em breve, os dois também passarão a integrar outra lista: a dos músicos retratados pelo cinema.

O trompetista, pai do clássico "Kind of Blue", será o tema de uma cinebiografia estrelada por Don Cheadle, ótimo ator de filmes como "Crash" e "Hotel Ruanda". Cheadle também será o diretor e o produtor do projeto, e o roteiro ficará nas mãos de Stephen J. Rivele e Chris Wilkinson, que juntos já escreveram as cinebiografias “Nixon” e “Ali”. Cheadle parece ser o intérprete ideal para viver um personagem tão complexo, que transformou a história do jazz com suas experimentações, se afundou em heroína e cocaína e morreu em 1991, precocemente, aos 65 anos.

Ainda não há previsão para início das filmagens. E deve demorar um pouco, já que Cheadle está envolvido em ao menos outros dois projetos neste ano. Dirigirá e estrelará um romance policial de Elmore Leonard e será o protagonista de “Toussaint”, filme sobre um líder revolucionário haitiano, dirigido por Danny Glover.

Já o pianista Dave Brubeck, autor de composições históricas como “Take Five” e “Blue Rondo a la Turk”, será o tema de um documentário com produção-executiva de Clint Eastwood. O filme, com direção de Bruce Ricker, mesclará informações sobre a trajetória de Brubeck com cenas de seu mais recente trabalho, uma peça composta especialmente para a abertura do festival de jazz de Monterey do ano passado.

Ricker não é um novato no ramo. Já produziu um documentário sobre Thelonious Monk e atualmente filma outro sobre o cantor Tony Bennett, longa em que Clint também está envolvido, como produtor e condutor das entrevistas com Bennett. Vale lembrar ainda que o diretor de “Cartas de Iwo Jima” já foi o responsável por uma das grandes biografias no cinema: “Bird”, em que Forest Whitaker, como o saxofonista Charlie Parker, teve a melhor interpretação de sua carreira.

Além de produzir o filme sobre Brubeck, Clint assumiu uma cadeira no comitê honorário para preservação da obra do pianista na Universidade do Pacífico, na Califórnia. Clint sobre Brubeck: “Ele continua a fazer contribuições significativas para a música, introduziu uma nova geração ao mundo do jazz e continua a explorar a linguagem internacional da música”. Impossível discordar.

5 comentários:

Museu do Cinema disse...

Sou fã de Jazz, acho que é a melhor "exportação" norte-americana dá música.

Miles Davis é gênio e ponto. Citaria tb a Nina Simone que sou devoto, além de fã.

Bird é um dos melhores filmes do Eastwood, depois de Meia Noite no Jardim do Bem e do Mal, um dos melhores filmes da humanidade.

Don Cheadle interpretará muito bem, ele tem o dom de dar alma em suas caracterizações.

Notícia ótima, não sabia.

Otavio Almeida disse...

Tb sou muito fã de jazz, Cassiano! E vc o definiu bem como "a melhor exportação norte-americana da música".

Espero que o filme sobre o fantástico Miles Davis seja feito com muito respeito por Don Cheadle, que é um puta ator.

Abs!

Vinícius P. disse...

Puxa, já cansei de tantas citações em filmes sobre o Miles Davis. Tava na hora mesmo dele ganhar uma biografia. O Cheadle é um excelente ator, mas será que vai dar certo como diretor também? Espero que sim. Já o pianista Dave Brubeck eu não conheço, mas se o filme está sob a supervisão do Eastwood, é sinal que vem coisa boa por aí.

Até mais!

Marcus Vinícius disse...

Concordo com todos vocês, amigos. Miles Davis é foda, demorou demais pra sair um filme sobre ele (eu tenho uns 10 álbuns dele no hd, se quiserem eu disponibilizo alguns).

Sobre o Eastwood, ele inclusive participou daquele projeto do Scorsese, titulado "The Blues", que alias é maravilhoso.

Abraços a todos!

Túlio Moreira disse...

No geral, gosto muito de cinebiografias sobre grandes nomes da música. Já estou aguardando! E claro, os documentários realizados por Scorsese sobre a música (Rolling Stones!) são obrigatórios.

abs!