domingo, 13 de novembro de 2005

O Relâmpago

O trabalho humano! eis a explosão que ilumina o meu abismo de tempos em tempos.

“Nada é vaidade; rumo à ciência, e avante!” clama o Eclesiastes moderno, ou seja Todo mundo. E contudo os cadáveres dos maus e dos ociosos caem sobre os corações dos outros... Ah! rápido, mais rápido; lá embaixo, além da noite, essas recompensas futuras, eternas... irão escapar-nos.

– Que posso fazer? Conheço o trabalho; e a ciência é muito lenta. Que a prece galopa e a luz atroa... eu o vejo bem. É muito simples; e faz muito calor, passarão bem sem mim. Tenho o meu dever, dele me orgulharei como fazem muitos, pondo-o de lado.

Minha vida está gasta. Vamos! finjamos, vadiemos, ó piedade! E viveremos a nos divertir, a sonhar amores monstruosos e universos fantásticos, queixando-nos e criticando as aparências do mundo, saltimbanco, mendigo, artista, bandido, – padre! No meu leito de hospital, o odor do incenso retornou poderosamente; guardião dos aromas sagrados, confessor, mártir...

Aí reconheço a minha infame educação de infância. Depois, o quê!... Alcançar os vinte anos, se os outros também o fazem...

Não! Não! agora eu me revolto contra a morte! O trabalho parece muito leve para o meu orgulho: minha traição ao mundo seria um suplício muito curto. No derradeiro momento, eu atacaria à direita, à esquerda...

Então, - oh! - pobre alma querida, a eternidade estaria perdida para nós!

Poema retirado da obra Uma Temporada no Inferno, de Arthur Rimbaud com tradução cedida por Marcelo Pacheco de Souza

3 comentários:

Anônimo disse...

Please tell me where can I find more material -----------------------------------------------------------------------------order-imitrex pharmacy

Flavia disse...

Oiiiiiiiiieeeeeee markinhusss.... nossa fikou showwwwwww o novo visual do blog!!!!!!adorei!!bjinhuss!! e bom findi né...t+...

Blog Gonçalo Moretto disse...

Bah! Ficou super legal mesmo. Parabéns Marcão!